grupos farmacológicos:

fórmula molecular:

C12H22CaO14

princípio ativo:

Gluconato de Cálcio

Quais são os Nomes Comerciais e Apresentações do Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

Gluconato de Cálcio

Qual é a Farmacocinética do Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

A farmacocinética do gluconato de cálcio está relacionada com a via de administração do fármaco. Quando administrado por via oral, o gluconato de cálcio é rapidamente absorvido pelo trato gastrointestinal e sua biodisponibilidade é de cerca de 25% a 30%. A absorção pode ser aumentada na presença de vitamina D. Quando administrado por via intravenosa, o gluconato de cálcio se dissocia em cálcio e gliconato no plasma sanguíneo, e o cálcio se liga às proteínas plasmáticas. A meia-vida de eliminação do cálcio é de aproximadamente 1 hora e sua eliminação ocorre principalmente pelos rins. A absorção e a eliminação do cálcio podem ser influenciadas por diversos fatores, como a presença de outras substâncias, o pH do trato gastrointestinal e a função renal.

Qual é o Mecanismo de Ação (Farmacodinâmica) do Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

O gluconato de cálcio é um suplemento de cálcio utilizado para corrigir deficiências ou distúrbios do metabolismo do cálcio. O cálcio é essencial para diversas funções celulares e processos biológicos, incluindo a contração muscular e a transmissão nervosa.

Em obstetrícia, o gluconato de cálcio pode ser utilizado como tratamento adjuvante em situações em que há ameaça de parto prematuro ou pré-eclâmpsia grave. Seu mecanismo de ação está relacionado à sua capacidade de promover a vasoconstrição periférica, o que ajuda a reduzir a pressão arterial e aumentar o fluxo sanguíneo uteroplacentário.

Além disso, o cálcio também pode ajudar a prevenir convulsões em mulheres com pré-eclâmpsia grave. Sua suplementação pode aumentar a concentração plasmática de cálcio, reduzindo a excitabilidade neuromuscular e prevenindo a ocorrência de convulsões.

Para que Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia) é Indicado?

O gluconato de cálcio é utilizado em obstetrícia principalmente para prevenção e tratamento de complicações relacionadas à hipocalcemia em gestantes e recém-nascidos. Além disso, pode ser usado como coadjuvante no tratamento de pré-eclâmpsia e eclâmpsia. A hipocalcemia materna pode ocorrer devido a várias condições, como deficiência de vitamina D, hipoparatireoidismo, insuficiência renal e uso prolongado de medicamentos, como anticonvulsivantes. A hipocalcemia neonatal pode ocorrer em recém-nascidos de mães com hipoparatireoidismo ou deficiência de vitamina D, prematuros e em gestações múltiplas. O gluconato de cálcio também pode ser utilizado para tratamento de osteoporose e raquitismo em gestantes com deficiência de cálcio.
Em casos de intoxicação por Sulfato de Magnésio, o Gluconato de Cálcio é utilizado como antagonista.

Qual é a Posologia do Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

O gluconato de cálcio é utilizado em obstetrícia para tratar algumas condições como hipocalcemia, hipertensão induzida pela gravidez, tetania e prevenção de eclâmpsia. A posologia pode variar de acordo com a indicação, a gravidade da condição e a resposta individual da paciente. Abaixo estão algumas informações sobre a posologia recomendada para cada uma das indicações mais comuns:

  • Hipocalcemia: A posologia do gluconato de cálcio para tratamento de hipocalcemia pode variar de acordo com a gravidade da deficiência de cálcio. Em geral, a dose recomendada é de 1 a 3 gramas por dia, divididos em doses menores, por via oral ou intravenosa.
  • Hipertensão induzida pela gravidez: Para o tratamento da hipertensão induzida pela gravidez, a posologia do gluconato de cálcio pode variar de acordo com a gravidade da condição. Em geral, a dose recomendada é de 1 a 3 gramas por dia, por via intravenosa.
  • Tetania: A posologia recomendada para tratamento da tetania pode variar de acordo com a gravidade da condição. Em geral, a dose recomendada é de 1 a 3 gramas por dia, divididos em doses menores, por via oral ou intravenosa.
  • Prevenção de eclâmpsia: A posologia do gluconato de cálcio para a prevenção de eclâmpsia pode variar de acordo com a gravidade do risco da paciente. Em geral, a dose recomendada é de 1 grama por dia, por via intravenosa, em duas doses diárias, a partir da 24ª semana de gestação.
  • Antagonista por superdosagem/intoxicação por Sulfato de Magnésio (MgSO4): Dose de ataque: 60mg/kg EV de 5 a 10 minutos; repetir a cada 10-20 minutos por 3-4 doses ou Dose de manutenção: 60 a 120mg/kg/hora titulada para melhorar a resposta hemodinâmica. Dose máxima: 6g/ dose.

    *Gluconato de Cálcio é o antagonista do Sulfato de Magnésio mais utilizado em casos de intoxicações.

É importante ressaltar que a posologia recomendada para cada indicação pode variar de acordo com as características individuais de cada paciente e deve ser determinada por um especialista.

Quais são os Efeitos Colaterais do Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

O uso de gluconato de cálcio pode causar alguns efeitos colaterais, tais como náusea, vômito, sede, constipação, dor abdominal, tontura, dor de cabeça, rubor, sudorese, arritmias cardíacas e hipotensão. Em casos raros, pode ocorrer reação alérgica. É importante lembrar que a administração do medicamento deve ser realizada por profissional de saúde capacitado e seguindo as orientações da bula. Em caso de efeitos colaterais, é fundamental procurar atendimento imediatamente.

Quais são os Cuidados de Enfermagem para Pacientes sob uso de Gluconato de Cálcio (foco em obstetrícia)?

  • Monitorar continuamente os sinais vitais da paciente (incluindo pressão arterial, frequência cardíaca e frequência respiratória), a fim de detectar precocemente a ocorrência de efeitos colaterais, como hipotensão, bradicardia e depressão respiratória.
  • Verificar os níveis de cálcio sérico antes, durante e após a administração do gluconato de cálcio, a fim de avaliar a eficácia do tratamento e prevenir a ocorrência de hipercalcemia.
  • Administrar o gluconato de cálcio lentamente, de preferência por via intravenosa, a fim de minimizar os riscos de reações adversas, como irritação venosa e extravasamento.
  • Avaliar a ocorrência de reações alérgicas e anafiláticas, como urticária, prurido, edema de face e laringoespasmo, durante e após a administração do gluconato de cálcio.
  • Orientar a paciente sobre os possíveis efeitos colaterais do gluconato de cálcio, como náuseas, vômitos, diarreia, dor abdominal, cefaleia e confusão mental, e a importância de relatar imediatamente ao profissional de saúde caso eles ocorram.
  • Realizar exames de monitoramento fetal, como cardiotocografia, a fim de avaliar a vitalidade fetal e detectar precocemente sinais de sofrimento fetal.
  • Evitar a administração simultânea de outros medicamentos que possam interagir com o gluconato de cálcio, como digoxina, tetraciclina e sulfonamidas, a fim de prevenir a ocorrência de efeitos adversos.
  • Verificar a ocorrência de hipotireoidismo na paciente, já que essa condição pode aumentar a sensibilidade ao cálcio e, consequentemente, agravar os efeitos do gluconato de cálcio.
  • Observar a ocorrência de sinais de hipocalcemia, como tetania, cãibra, parestesia, sinal de Chvostek e sinal de Trousseau, a fim de detectar precocemente a necessidade de ajuste da dose de gluconato de cálcio.
  • Realizar uma cuidadosa avaliação da paciente e da história clínica antes de iniciar o tratamento com gluconato de cálcio, a fim de avaliar os riscos e benefícios da terapia e evitar a ocorrência de eventos adversos.

Referências

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas: eclâmpsia. Brasília, DF, 2020. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/2017/Relatorio_PCDT_Eclampsia_Final.pdf. Acesso em: 18 fev. 2023.
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gestacao_alto_risco_manual_tecnico.pdf. Acesso em: 18 fev. 2023.
  3. Ramos JGL, Bezerra ALQ, Costa ICF, Costa FVA. Prevenção e tratamento da pré-eclâmpsia. Rev Bras Promoção Saúde. 2020;33:e20200003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbps/article/view/8657581/22547. Acesso em: 18 fev. 2023.
  4. Júnior WSC, Melo MDA, Fernandes RV, Lima RM, Lages ALP. Uso de sulfato de magnésio e gluconato de cálcio em pré-eclâmpsia. Rev Saúde Desenvolvimento. 2020;12(9):107-26. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12600/10231. Acesso em: 18 fev. 2023.
  5. Santos LCR, Santos CC, Oliveira RF, Silva ES, Santos MR. Uso de gluconato de cálcio em paciente com hipoparatireoidismo durante gestação: relato de caso. Rev Bras Farm Hosp Serv Saúde. 2019;10(3):454-8. Disponível em: https://rbfhss.org.br/sbrafh/article/view/454/417. Acesso em: 18 fev. 2023.
  6. Gomes LRV, Ferreira DO, Soares BGO, Brandão MA. Uso de gluconato de cálcio em situações emergenciais. Rev Bras Clin Med. 2018;16(2):111-7. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1806-7511/2018/v16n2/a6386.pdf. Acesso em: 18 fev. 2023.
  7. Catunda GJF, Neves HDM, Santos FMS, Lobo TG, Dourado BA. Gluconato de cálcio como coadjuvante no tratamento de hipomagnesemia em gestante. Rev Bras Ginecol Obstet. 2017;39(9):484-8. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgo/v39n9/0100-7203-rbgo-39-09-00484.pdf. Acesso em: 18 fev. 2023.
 
 

escrito por:

Gabriel Fellipe Félix Lima

Gabriel Fellipe Félix Lima

Graduando em Enfermagem pela PUC Goiás, Designer Gráfico, Programador e Apaixonado por Tecnologia!