Nifedipino (Adalat)

grupos farmacológicos:

anti-hipertensivos
bloqueadores dos canais de cálcio
tocolíticos

fórmula molecular:

C17H18N2O6

princípio ativo:

Nifedipino

Quais são os Nomes Comerciais do Nifedipino (Adalat)?

Dilaflux Retard, Neo Fedipina, Prenilan, Nifedicard, Nifedipress, Adalex Retard, Adalat, Adalat Oros, Oxcord Retard, Loncord.

As apresentações do nifedipino são:

Comprimido de 10 mg, 20mg, 30mg e 60mg e cápsula de 10mg, 20mg e 40mg.

Qual é o Mecanismo de Ação do Nifedipino (Adalat)?

O Nifedipino é um bloqueador dos canais de cálcio do tipo L, que atua inibindo a entrada de íons de cálcio através dos canais de cálcio lentos nas células do músculo liso vascular e nas células do miocárdio. A entrada de cálcio nessas células é essencial para a contração do músculo liso. Portanto, ao bloquear a entrada de cálcio, o Nifedipino causa um relaxamento do músculo liso vascular, resultando em vasodilatação.

A vasodilatação periférica causada pelo Nifedipino reduz a resistência vascular periférica total e a pressão arterial. Além disso, a vasodilatação dos vasos coronários aumenta o fluxo sanguíneo para o miocárdio, o que pode ser benéfico para pacientes com angina de peito.

Além disso, estudos recentes indicam que o Nifedipino pode interagir com outros medicamentos, como a atorvastatina e o 5-fluorouracil, o que pode afetar a eficácia do tratamento. Portanto, é importante considerar possíveis interações medicamentosas ao administrar o Nifedipino.

Para que Nifedipino (Adalat) é Indicado?

O Nifedipino é um medicamento amplamente utilizado na prática clínica para o tratamento de diversas condições. Suas principais indicações incluem:

Hipertensão: O Nifedipino é frequentemente prescrito para pacientes com hipertensão, ajudando a reduzir a pressão arterial e, consequentemente, diminuindo o risco de eventos cardiovasculares graves, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral.

Angina do peito: A angina, uma condição caracterizada por dor no peito devido ao fluxo sanguíneo reduzido para o coração, também pode ser tratada com Nifedipino. O medicamento ajuda a relaxar e dilatar as artérias coronárias, melhorando o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco.

Pré-eclâmpsia: Em alguns casos, o Nifedipino pode ser usado no tratamento da pré-eclâmpsia, uma condição que ocorre durante a gravidez e que é caracterizada por hipertensão e danos a outros órgãos, geralmente os rins.

Espasmo do esôfago: O Nifedipino pode ser utilizado para tratar espasmos do esôfago, uma condição em que os músculos do esôfago se contraem de forma anormal.

Tocolítico: O Nifedipino também é usado como um tocolítico, um medicamento que inibe as contrações uterinas, sendo usado para tratar o trabalho de parto prematuro.

Qual é a Posologia do Nifedipino (Adalat)?

A posologia do Nifedipino pode variar dependendo da condição a ser tratada e da resposta individual do paciente ao medicamento. No entanto, algumas diretrizes gerais podem ser fornecidas com base na literatura:

Hipertensão: A dose inicial típica de Nifedipino para o tratamento da hipertensão é de 30 a 60 mg por dia, administrada em uma ou duas doses. A dose pode ser ajustada de acordo com a resposta do paciente, até um máximo de 90 mg por dia.

Angina do peito: Para o tratamento da angina, a dose inicial recomendada é geralmente de 30 mg uma vez por dia, podendo ser aumentada para 60 mg uma vez por dia se necessário. Em alguns casos, a dose pode ser aumentada para um máximo de 90 mg por dia.

Pré-eclâmpsia: No tratamento da pré-eclâmpsia, a dose de Nifedipino pode variar amplamente, dependendo da gravidade da condição e da resposta do paciente ao tratamento. A dose inicial pode ser de 10 a 20 mg, administrada a cada 4 a 6 horas, com ajustes feitos com base na resposta do paciente.

Espasmo do esôfago: Para o tratamento do espasmo do esôfago, a dose inicial de Nifedipino é geralmente de 10 a 20 mg, administrada três vezes ao dia. A dose pode ser ajustada de acordo com a resposta do paciente.

Tocolítico: No uso como tocolítico, a dose de Nifedipino pode variar, mas uma dose inicial comum é de 10 a 20 mg, administrada a cada 4 a 6 horas.

Quais são os Efeitos Colaterais do Nifedipino (Adalat)?

Os efeitos colaterais mais comuns do Nifedipino incluem dor de cabeça, vermelhidão ou calor na face, pescoço ou peito (rubor), tontura ou sensação de desmaio, inchaço nas mãos, tornozelos ou pés, batimentos cardíacos rápidos ou irregulares, náuseas, constipação e diarreia.

Quais são os Cuidados de Enfermagem para Pacientes sob uso de Nifedipino (Adalat)?

  1. Monitorar a pressão arterial regularmente: A pressão arterial do paciente deve ser monitorada regularmente para garantir que o medicamento está sendo eficaz no controle da hipertensão. Isso é importante porque o Nifedipino é um anti-hipertensivo e sua principal função é reduzir a pressão arterial.
  2. Observar sinais de edema: O inchaço nas mãos, tornozelos ou pés pode ser um sinal de retenção de líquidos, um possível efeito colateral do Nifedipino. A detecção precoce pode ajudar a gerenciar esse efeito colateral.
  3. Avaliar a frequência cardíaca: O Nifedipino pode causar batimentos cardíacos rápidos ou irregulares em alguns pacientes. Monitorar a frequência cardíaca pode ajudar a detectar qualquer anormalidade cedo.
  4. Instruir o paciente a se levantar lentamente: O Nifedipino pode causar tontura ou sensação de desmaio, especialmente quando o paciente se levanta muito rápido de uma posição sentada ou deitada. Instruir o paciente a se levantar lentamente pode ajudar a prevenir esses sintomas.
  5. Monitorar a ingestão e a saída de líquidos: Isso pode ajudar a detectar qualquer retenção de líquidos, um possível efeito colateral do Nifedipino.
  6. Avaliar a dor no peito: Como o Nifedipino é frequentemente usado para tratar a angina, é importante avaliar a dor no peito para garantir que o medicamento está sendo eficaz.
  7. Instruir o paciente a relatar qualquer dor de cabeça severa: A dor de cabeça é um efeito colateral comum do Nifedipino. Instruir o paciente a relatar qualquer dor de cabeça severa pode ajudar a gerenciar esse efeito colateral.
  8. Avaliar a função renal e hepática: O Nifedipino é metabolizado no fígado e excretado pelos rins. Monitorar a função renal e hepática pode ajudar a detectar qualquer possível toxicidade do medicamento.
  9. Instruir o paciente a tomar o medicamento conforme prescrito: O Nifedipino deve ser tomado exatamente como prescrito pelo médico. Instruir o paciente sobre a importância de seguir a prescrição pode ajudar a garantir a eficácia do medicamento.
  10. Avaliar a resposta do paciente ao medicamento: Isso inclui monitorar a eficácia do medicamento no tratamento da condição do paciente e observar quaisquer efeitos colaterais. Esta avaliação pode ajudar a determinar se a dose do medicamento precisa ser ajustada.

Referências

BARROS, Elvino. Medicamentos de A a Z: 2016-2018. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

CAETANO, Norival. BPR – Guia de Remédios 2016/17. 13ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

KAUR, R.; LANG, D. K.; SINGH, H.; ARORA, A.; GARG, N.; SAINI, B. Repurposing of Various Current Medicines as Radioprotective Agents. [S.l.], 2023. Disponível em: https://www.eurekaselect.com/article/122211. Acesso em: 12 jul. 2023.

MASSIAS, T.; LACERDA, S. P.; AZEVEDO, J. R.; LETOURNEAU, J. J.; DOS SANTOS, P.; BOLZINGER, M. A.; ESPITALIER, F. A proof-of-concept study of coupled supercritical CO2-assisted processes to produce solid self-assembled drug delivery systems (S-SADDS). [S.l.], 2023. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0022024823001719. Acesso em: 12 jul. 2023.

MOMAYEZ SANAT, Z.; MOHAMMADI GANJAROUDI, N.; MANSOURI, M. The Effect of Topical Nifedipine versus Diltiazem on the Acute Anal Fissure: A Randomized Clinical Trial. [S.l.], 2023. Disponível em: http://mejdd.org/index.php/mejdd/article/view/2804. Acesso em: 12 jul. 2023.

SALEEM, R.; AKRAM, S.; SABIR, F.; SALAM, R.; AKHTAR, N.; BASHIR, N.; SAEED, S. Comparison of Efficacy and Safety of Magnesium Sulphate Versus oral Nifedipine in Acute Tocolysis of Preterm Labour. [S.l.], 2023. Disponível em: https://pjmhsonline.com/index.php/pjmhs/article/view/4974. Acesso em: 12 jul. 2023.

SHI, J. Propranolol and nifedipine efficacy against hypertension. [S.l.], 2023. Disponível em: https://www.spiedigitallibrary.org/conference-proceedings-of-spie/12611/2669574/Propranolol-and-nifedipine-efficacy-against-hypertension/10.1117/12.2669574.short?SSO=1. Acesso em: 12 jul. 2023.

TAMARAH, E.; HANDAYANI, H.; FERDIANTORO, A. Drug Interactions in Coronary Heart Disease Patients : a Literature Review. International Islamic Medical Journal, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 19–24, 2023. Disponível em: https://journal2.unusa.ac.id/index.php/IIMJ/article/view/3856. Acesso em: 12 jul. 2023.

TAYAG, J. C. S.; ISHII, T.; KOKUBA, S.; HIRATA, T.; SHIOHIRA, H.; NAKAMURA, K. Effects of 5-fluorouracil Co-administration on Blood Pressure in Patients Maintained on Antihypertensives: a Retrospective Case Series. [S.l.], 2023. Disponível em: https://www.ingentaconnect.com/contentone/govi/pharmaz/2023/00000078/00000005/art00009. Acesso em: 12 jul. 2023.

escrito por:

Gabriel Fellipe Félix Lima

Gabriel Fellipe Félix Lima

Graduando em Enfermagem pela PUC Goiás, Designer Gráfico, Programador e Apaixonado por Tecnologia!