Ciclobenzaprina

grupos farmacológicos:

fórmula molecular:

C20H21N

princípio ativo:

Cloridrato de Ciclobenzaprina

Quais são os Nomes Comerciais da Ciclobenzaprina?

Alencar, Benciclotiaz, Biofloxin, Ciben, Ciclofarm, Ciclogen, Cilogen, Cipram, Ciralene, Cizalene, Clobenzap, Clonoxil, Cusiviral, Deltamusc, Dorex, Flexeril, Fexmid, Fliborax, Genfibro, Lisenet, Lisopax, Miosan, Miosan Café, Miosan Genérico, Miotonil.

Apresentações:

  • Comprimidos: 5 mg e 10 mg
  • Cápsulas: 10 mg
  • Solução oral: 4 mg/mL

Qual é o Mecanismo de Ação da Ciclobenzaprina?

A ciclobenzaprina é um medicamento com propriedades relaxantes musculares que age principalmente no sistema nervoso central, aumentando o limiar da dor e diminuindo o tônus muscular.

O mecanismo de ação da ciclobenzaprina envolve sua ligação aos receptores serotoninérgicos (5-HT2A) e alfa-2 adrenérgicos no sistema nervoso central, resultando em um efeito sedativo e relaxante muscular. Além disso, a ciclobenzaprina também pode atuar como inibidor da recaptação de serotonina, o que pode contribuir para seus efeitos relaxantes musculares.

Para que Ciclobenzaprina é Indicada?

A ciclobenzaprina é um medicamento indicado para o tratamento de dor e espasmos musculares, como os que ocorrem em condições musculoesqueléticas agudas e dolorosas, como lombalgia, cervicalgia e fibromialgia.

Qual é a Posologia da Ciclobenzaprina?

  • Adultos: A dose usual de ciclobenzaprina para adultos é de 10 mg, três vezes ao dia. Em casos mais graves, a dose pode ser aumentada para até 60 mg por dia, dividida em três doses iguais.
  • Idosos: Para idosos, a dose inicial recomendada é de 5 mg, três vezes ao dia, que pode ser aumentada gradualmente se necessário, sob supervisão médica.

Quais são os Efeitos Colaterais da Ciclobenzaprina?

A ciclobenzaprina é um medicamento seguro e eficaz para o tratamento de dor e espasmos musculares, mas como qualquer medicamento, pode causar efeitos colaterais. Os efeitos colaterais mais comuns da ciclobenzaprina incluem sonolência, tontura, boca seca, fadiga, náusea e constipação.

Além disso, a ciclobenzaprina também pode causar efeitos colaterais menos comuns, como dor de cabeça, visão turva, dificuldade para urinar, sudorese, erupções cutâneas, confusão e alucinações.

Em casos raros, a ciclobenzaprina pode causar reações alérgicas graves, como inchaço da face, língua ou garganta, dificuldade para respirar, urticária e coceira.

Quais são os Cuidados de Enfermagem para Pacientes sob uso de Ciclobenzaprina?

  • Monitorar os efeitos colaterais: Como mencionado anteriormente, a ciclobenzaprina pode causar efeitos colaterais, como sonolência, tontura, boca seca, fadiga, náusea e constipação. O enfermeiro deve monitorar o paciente para detectar esses sintomas e avaliar a necessidade de ajustar a dosagem ou mudar o medicamento, se necessário.
  • Verificar a presença de outras condições de saúde: Alguns pacientes podem ter condições de saúde que aumentam o risco de complicações ou efeitos colaterais ao utilizar a ciclobenzaprina. Por exemplo, pacientes com doenças cardíacas podem ter maior risco de arritmias, enquanto aqueles com hipertireoidismo podem ser mais sensíveis aos efeitos colaterais da medicação. Verificar a presença de outras condições de saúde pode ajudar o enfermeiro a avaliar o risco-benefício do uso da ciclobenzaprina e ajustar a dose ou mudar a medicação, se necessário.
  • Orientar o paciente sobre os cuidados com a ciclobenzaprina: Os pacientes devem ser orientados sobre os cuidados a serem tomados ao utilizar a ciclobenzaprina, incluindo evitar o consumo de álcool, seguir a dosagem e horários prescritos pelo médico e não dirigir ou operar máquinas pesadas. Essas orientações ajudam a garantir que o paciente utilize o medicamento de forma segura e eficaz.
  • Avaliar a necessidade de ajustar a dosagem: A dosagem da ciclobenzaprina pode variar de acordo com a condição de saúde do paciente e sua resposta ao tratamento. O enfermeiro deve avaliar regularmente a necessidade de ajustar a dosagem para garantir que o paciente esteja recebendo a dose mais adequada para sua condição.
  • Verificar a presença de interações medicamentosas: A ciclobenzaprina pode interagir com outros medicamentos, incluindo sedativos, tranquilizantes e antidepressivos. O enfermeiro deve verificar se o paciente está tomando outros medicamentos e avaliar o risco de interações medicamentosas.
  • Avaliar a necessidade de mudar o medicamento: Alguns pacientes podem não tolerar a ciclobenzaprina ou podem apresentar efeitos colaterais graves. Nesses casos, o enfermeiro deve avaliar a necessidade de mudar o medicamento ou ajustar a dosagem para minimizar os sintomas adversos.
  • Monitorar a pressão arterial e a frequência cardíaca: A ciclobenzaprina pode afetar a pressão arterial e a frequência cardíaca em alguns pacientes, especialmente aqueles com doenças cardíacas preexistentes. O enfermeiro deve monitorar regularmente esses sinais vitais para detectar alterações e avaliar a necessidade de ajustar a dose ou mudar o medicamento.
  • Avaliar a necessidade de mudar a via de administração: A ciclobenzaprina é geralmente administrada por via oral, mas em alguns casos pode ser necessário mudar a via de administração para minimizar os efeitos colaterais ou aumentar a eficácia do tratamento. O enfermeiro deve avaliar a necessidade de administrar a medicação por via intramuscular ou intravenosa, por exemplo, em pacientes com dificuldades para engolir ou que não respondem bem à administração oral.
  • Verificar a presença de alergias: Alguns pacientes podem ser alérgicos à ciclobenzaprina ou a outros medicamentos relacionados. O enfermeiro deve verificar a presença de alergias ou hipersensibilidade antes de administrar a medicação e avaliar a necessidade de usar um medicamento alternativo em caso de reações alérgicas.
  • Verificar a presença de contraindicações: Alguns pacientes podem apresentar contraindicações para o uso da ciclobenzaprina, como gravidez, amamentação, hipersensibilidade ao medicamento ou comprometimento da função hepática ou renal. O enfermeiro deve verificar a presença de contraindicações antes de administrar a medicação e avaliar a necessidade de usar um medicamento alternativo ou ajustar a dose em caso de pacientes com comprometimento hepático ou renal.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Bula da Ciclobenzaprina. Brasília, DF: ANVISA, 2019. Disponível em: https://consultaremedios.com.br/ciclobenzaprina/bula. Acesso em: 25 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Bulário Eletrônico. Ciclobenzaprina. Brasília, DF: ANVISA, 2023. Disponível em: https://consultas.anvisa.gov.br/#/medicamentos/253514944082014. Acesso em: 25 fev. 2023.

EMs. Ciclobenzaprina. São Paulo: EMs, 2023. Disponível em: https://www.ems.com.br/farmacia/saude-do-paciente/ciclobenzaprina. Acesso em: 25 fev. 2023.

escrito por:

Gabriel Fellipe Félix Lima

Gabriel Fellipe Félix Lima

Graduando em Enfermagem pela PUC Goiás, Designer Gráfico, Programador e Apaixonado por Tecnologia!